• |Eclesiastes 4:1| De novo olhei e vi toda a opressão que ocorre debaixo do sol: Vi as lágrimas dos oprimidos, mas não há quem os console; o poder está do lado dos seus opressores, e não há quem os console.

  • |Eclesiastes 4:2| Por isso considerei os mortos mais felizes do que os vivos, pois estes ainda têm que viver!

  • |Eclesiastes 4:3| No entanto, melhor do que ambos é aquele que ainda não nasceu, que não viu o mal que se faz debaixo do sol.

  • |Eclesiastes 4:4| Descobri que todo trabalho e toda realização surgem da competição que existe entre as pessoas. Mas isso também é absurdo, é correr atrás do vento.

  • |Eclesiastes 4:5| O tolo cruza os braços e destrói a própria vida.

  • |Eclesiastes 4:6| Melhor é ter um punhado com tranquilidade do que dois punhados à custa de muito esforço e de correr atrás do vento.

  • |Eclesiastes 4:7| Descobri ainda outra situação absurda debaixo do sol:

  • |Eclesiastes 4:8| Havia um homem totalmente solitário; não tinha filho nem irmão. Trabalhava sem parar! Contudo, os seus olhos não se satisfaziam com a sua riqueza. Ele sequer perguntava: “Para quem estou trabalhando tanto, e por que razão deixo de me divertir?” Isso também é absurdo; é um trabalho por demais ingrato!

  • |Eclesiastes 4:9| É melhor ter companhia do que estar sozinho, porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas.

  • |Eclesiastes 4:10| Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se!